Segunda-feira, 25 De Abril,2011

Povo que lavas no rio

Povo  que lavas no rio

 

 

   Sol m                 Fa

Povo que lavas no rio

                                        Mi b

Que talhas com o teu  machado

      Do m                  Re

As tábuas do meu caixão

 

 Fa                                 Si b

Há-de haver quem te defenda

           Sol m                     Re

Quem compre o teu chão sagrado

Do m  Re       Sol m              

Mas a tua vida não

                          Fa

Fui ter à mesa redonda

 Do m                       Mi b

Beber em malga que esconda

      Do m               Sol m

Um beijo de mão em mão

 

 Fa                          Si b

Era o vinho que me deste

    Sol m                 Re

A água pura fruta agreste

Dom  Re          sol m

Mas a tua vida não

 

                       ( Fá  Si b  sol m  Re   sol m  )

 

Fa                             Si b

Aromas de urze e de lama

                            Mi b

Dormi com eles na cama

Do m                  Re

Tive a mesma condição

 

Fa                           Si b

Povo, povo eu te pertenço

  Sol m                         Re

Deste-me alturas de incenso

Do m  Re         sol m            

Mas a tua vida não

publicado por mgrilo às 17:07
link do post | comentar

Canção de Embalar

 

Canção de Embalar

 

 

     Sim                                        La
      Dorme meu menino a Estrela D’Alva
      Sim                        La
               Já a procurei e não a vi

                 Fá#m             Sol                  Sim

          Se ele não vier de madrugada

             Mim            Fá# M                  Sim 

          Outra que eu souber será p’ra ti

 

                

     

    Sim, La, Sim.......Sol, Fá#, Sim

 

…………

                Outra que eu souber na noite escura

 

Sopra o teu sorriso de encantar

 

Tu estarás cantando nas alturas

 

Trovas e cantigas de embalar

 

 

Trovas e cantigas muito belas

 

Afina a garganta meu cantor

 

Quando a luz se apaga nas janelas

 

 Perde a estrela de alva e seu fulgor


 

           Perde a estrela de alva pequenina

 

Se outra não vier para romper

 

Dorme que ainda a noite é uma menina

 

Deixa-a vir também adormecer.

publicado por mgrilo às 16:51
link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
26
27
28
29

últ. comentários

mais comentados

arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro