Domingo, 24 De Abril,2011

Fado do Petróleo

Fado do Petróleo

 

Re                            La

Este fado que hoje canto nem é preto nem é branco

                                   Re

É assim amod’sque molato

                            La

É um fado muito lindo, muito lindo, muito lindo

                                 Re

Muito lindo e nada chato

Sol             Re           Sim              Mim

É um fado rebuscado mastigado esgomitado

       La             Re

Ruminado e digerido

Sol                  Re             Sim            Mim

Uma obra conseguida tão sentida tão espremida

        La              Re

Tão fazida sem sentida

 

Ai, Ai, Ai, Ai, Ai, Ai, Ai,

Eu não tenho mãe nem pai sou filho da minha avó

Eu fui feito no fogão na panela de pressão

Mesmo ao pé dum pão de ló

 

Eu nasci quando era moço Com o umbigo no pescoço

E os cebacos na barriga

Inda eu não tinha ouvidoE já ouvia os ruídos

Daquela velha cantiga

 

Não descalces os sapatos Não descalces os sapatos

Qu’inda tens de ir ao petróleo

Como tens de ir ao petróleo Não descalces os sapatos

Se descalças os sapatos Vamos ficar sem petróleo

 

Quando eu era pequenino fui sempre muito limpinho

Para não Ter de apanhar

Fazia o cócó na mão nunca fiz chichi p´ró chão

Fazia-o sempre p´ró ar

Inda hoje não tomo banho sou a atirar p´ró castanho

Sofro de odor corporal

E o mau hálito é tamanho inté parece que tenho

Aerofagia  vocal

 

Isto é infectivamente derivado ofactálmente na medida em que pois é

Já dizem p´rai boatos que eu não descalço os sapatos

Porque cheiram  a perfume

 

Ó que mentira que horror o cheiro é muito melhor

Quem o já cheirou que o diga

E agora p´ra acabar  vai toda a gente cantar

Aquela velha cantiga.

 

 

Refrão…………………….

publicado por mgrilo às 23:35
link do post | comentar

Canção do Beijinho

“Canção do Beijinho “

 

 

Ai rapariga, rapariga, rapariga

                                                 Sol

Tu só dizes disparates, disparates, disparates

 

E tanta asneira, tanta asneira, tanta asneira

                                                              

Que p'ra tirar tanta asneira

                           

Não chegam cem alicates.

 

Mas tu não sabes, tu não sabes, tu não sabes

                                                                       

Que isso de dar um beijinho

                            

Já é um costume antigo

                                                           

Ai quem te disse, quem te disse, quem te disse

                                          Sol                                   

Que lá por dares um beijinho

                          

Tinhas de casar comigo.

 

           Sol                

- Ó chega cá... - Não vou.

               Sol               

- Tu és tão linda... - Pois sou.

                      Sol              

- Dá-me um beijinho... - Não dou.

 

 

Interesseira, convencida, ignorante, foragida, sua burra

 

És a miúda mais palerma, camelóide que eu já vi,

                                                                       Sol

Mas por que raio é que tu queres os beijinhos só p'ra ti?

 

           

Ora dá cá um

 

E a seguir dá outro,

                                            Sol

Depois dá mais um que só dois é pouco

 

Ai eu gosto tanto e é tão docinho

                                      

E no entretanto dá mais um beijinho.

 

Ai rapariga, rapariga, rapariga

                                                           Sol

Dás-me cabo do miolo, p'ra te levar com cantigas

 

Ai mas que coisa, mas que coisa, mas que coisa

                                                                 

Diz lá por que é que não és como as outras raparigas

 

Quando eu pergunto se elas me dão um beijinho,

 

Dão-me tantos, tantos, tantos

                          

Que parecem não ter fim

                                              

E tu agora estás com tanta esquisitice

                           Sol

Que qualquer dia já queres

                              

E não sabes mais de mim.

 

           Sol                  

- Dás ou não dás?...- Não e não!

           Sol     

- Então dou eu...- Oh! isso não.

                 Sol                     

- Dá-me um beijinho...- Não dou não.

 

         

Não dás porquê, sua esganada, egoísta, malcriada, sua parva

 

Só se pensas que eu acaso tenho a barba mal cortada

                                                Sol

E vê lá se tens receio que a boca arranhada.

 

 

Refrão----------------------------------------

 

        Sol            

- Então vá lá...- Já disse.

       Sol                             

- Eu faço força...- Oh! que parvoíce.

                  Sol                        

- Dá-me um beijinho...-            Já disse!

 

    

Analfabruta, pestilenta, hipocondríaca, avarenta, bexigosa

 

Vou comprar um dicionário que só tenha nomes feios

                                                                         Sol

Que é p'ra eu tos chamar todos até teres os ouvidos cheios

 

Refrão----------------------------------------

publicado por mgrilo às 23:23
link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar

 

Abril 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
26
27
28
29

últ. comentários

mais comentados

arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro